sexta-feira, 21 de agosto de 2020

TRE-BA aprimora uso de aplicativo de mensagens para estreitar a comunicação com os eleitores

Ferramenta que já é usada pelos cartórios desde 2016 ganha perfil institucional, aprimorando contato com eleitores na pandemia; em 2020, convocação de mesários também é feita por WhatsApp



O Tribunal Regional Eleitoral da Bahia ampliou o uso do aplicativo de mensagens instantâneas WhatsApp para intensificar o contato com eleitores em 2020. A ferramenta, que é a mais utilizada no Brasil e já se provou eficiente em duas outras eleições (2016 e 2018), será um diferencial da comunicação do TRE-BA no pleito municipal deste ano, realizado no contexto da Covid-19. 

Os cartórios eleitorais da Bahia iniciaram a convocação de mesários no mês de agosto com essa novidade. O processo está sendo realizado preferencialmente por meios digitais, entre os quais o WhatsApp, para notificações rápidas e seguras. O aplicativo também tem sido utilizado para compartilhar informações sobre as Eleições Municipais, seja com os eleitores, os partidos políticos e os diversos colaboradores da Justiça Eleitoral. 

Em 2020, os cartórios estão utilizando o WhatsApp Business, versão em que os números vinculados aos perfis no aplicativo são de telefones oficiais do TRE-BA. A necessidade surgiu depois de duas eleições em que os servidores usaram a ferramenta a partir de celulares pessoais. Tanto em 2016 quanto em 2018, as zonas eleitorais da Bahia criaram diversos grupos temáticos no app, tornando a comunicação mais eficaz e homogênea. 

Nos dias de votação, por exemplo, foi possível manter contato imediato com técnicos e coordenadores que estavam em locais sem cobertura de rede, porque os colégios tinham wifi e a comunicação já estava acontecendo por mensagem instantânea, conta Danilo Pereira, chefe de cartório da 156ª zona, de Feira de Santana. Com a migração para o WhatsApp Business, ele avalia que o serviço do TRE-BA será ainda mais profissional e preparado para uma demanda maior, por conta da pandemia de coronavírus. 

Experiência

Embora sejam as primeiras eleições em que o TRE-BA utiliza o WhatsApp Business, o órgão já tem experiência com a ferramenta, adquirida durante o fechamento de cadastro este ano. Com os cartórios atuando em trabalho remoto por causa da pandemia, os eleitores foram orientados usar o Título Net ou o Coleta Doc. Por isso, muitos servidores apostaram no WhatsApp como uma das principais ferramentas de comunicação. 

Na 156ª ZE, o uso da ferramenta facilitou a logística e será replicado. “Nossa previsão é que quase a totalidade da convocação dos mesários seja feita dessa forma”, afirma Danilo Pereira, lembrando que o email também será bastante usado e que os meios tradicionais (correio e oficial de justiça) estarão disponíveis quando for preciso. Além dos mesários, a zona de Feira de Santana já está usando o app para transmitir informação para eleitores, partidos políticos e outros colaboradores da Justiça Eleitoral. 

O chefe da 156ª ZE observa que, como o WhatsApp Business traz o número fixo do cartório, fica mais fácil para os eleitores consultarem o site do TRE-BA e verificar que o número pertence mesmo à Justiça Eleitoral, o que garante mais segurança ao processo. “O uso dessa ferramenta também aumenta a nossa responsabilidade com as informações prestadas por uma conta pública. Nós estamos respondendo pelo órgão e não como servidores ou cidadãos. Esse atendimento deve ser técnico, ter clareza e objetividade para garantir o melhor serviço prestado”. 

Encurtar distâncias

Mensagens instantâneas encurtam distâncias, principalmente em localidades que podem estar a mais de 100 quilômetros da sede dos cartórios. Esse é o caso da 126ª zona eleitoral, que inclui três municípios: Baianópolis (sede), Cristópolis e Angical, no oeste baiano. A chefe de cartório, Ângela de Queiroz, conta que a 126ª ZE vai usar a mesma logística das duas eleições anteriores, nas quais o WhatsApp funcionou bem. 

Desde 2016, essa ferramenta tem contribuído para integrar os três municípios e as comunidades vizinhas, promovendo interações entre os mais diferentes grupos, afirma a servidora. Além da convocação dos mesários, a 126ª ZE mantém contato direto com eleitores, coligações, partidos, fiscais de propaganda, policiais, juízes, promotores e outros atores das eleições. “Tem sido uma experiência ótima, todo mundo sabendo de tudo em tempo real e os problemas resolvidos com rapidez. Já estamos bem familiarizados”. 

A 126ª ZE também já instalou pontos de apoio nas principais localidades, para garantir uma logística mais eficiente, especialmente no momento desafiador de pandemia. A principal comunicação com as equipes destes pontos tem sido o WhatsApp. Entre os desafios das eleições de novembro, Ângela destaca a reorganização dos locais de votação, no cenário de muitas escolas desativadas nos municípios, além do receio de contágio por parte do eleitorado e dos colaboradores em geral. 

A chefe da 126ª ZE enfatiza que todos os cuidados estão sendo tomados e que fazer circular informação confiável e qualificada está entre essas providências. “São muitos os desafios, mas estamos contornando, em contato direto com todos, com o apoio das comunidades, que se envolvem, que participam e com certeza faremos eleições seguras, sem expor ninguém”. 

Ferramenta eleitoral

Na avaliação de Ângelo Fontes, chefe da 21ª zona eleitoral, o WhatsApp é um recurso que veio para ficar. Para o servidor que responde pelos municípios Esplanada (sede), Conde e Acajutiba, o contexto da pandemia está apenas ajudando a consolidar uma ferramenta que tem se mostrado útil para a Justiça Eleitoral pela forma rápida e eficiente de transmitir informações. 

Além da convocação dos mesários, que em 2020 irá priorizar o aplicativo de mensagens, a 21ª ZE também adotou o aplicativo durante o fechamento de cadastro e vem mantendo este canal para se comunicar com eleitores, pré-candidatos, presidentes de partidos, advogados e os demais envolvidos no processo eleitoral. 

Um dos desafios, destaca Ângelo, é o fato de o perfil institucional ficar disponível apenas para um dos servidores do cartório, o que por vezes ainda torna necessária a utilização de celulares pessoais para otimizar o tempo. Esse aspecto, entretanto, deve ser equacionado com uma divisão planejada das atividades e com as próprias atualizações que o aplicativo realize. 

Para o chefe da 21ª ZE, o contexto é desafiador, mas facilitado pela tecnologia. “A utilização desse tipo de recurso é muito útil e, com certeza, será ampliada agora. Temos aproveitado o WhatsApp para transmitir informações do TSE, do TRE-BA e mesmo a que produzimos aqui no cartório e ele tem se revelado uma ferramenta útil e, pelo fato de ser institucional, as pessoas sabem que podem confiar”.


CB

Nenhum comentário:

Postar um comentário