segunda-feira, 6 de abril de 2020

TRE-BA realiza testes em urnas eletrônicas


Diariamente, uma média de 200 urnas são submetidas a um sistema de teste que verifica seu funcionamento


Cerca de 200 urnas eletrônicas estão sendo testadas diariamente pelo Tribunal Regional Eleitoral da Bahia (TRE-BA). O objetivo é verificar as condições de funcionamento, executar reparos e, se necessário, repor peças. Esta etapa é importante para que ocorra tudo bem no dia da eleição. Em tempos normais – explica a coordenadoria de Equipamento e Suporte (Cosup), ligada à Secretaria de Tecnologia da Informação (STI) do órgão – a média diária seria o dobro.

Apesar da adoção do expediente emergencial em razão da pandemia do coronavírus, o Eleitoral baiano segue com o cronograma. Para não afetar o planejamento ou haver interrupção do trabalho, a Cosup/STI dividiu a equipe para diminuir o número de pessoas em um único espaço. “Tivemos de reduzir a quantidade de técnicos, mas está sendo feito um rodízio”, ressalta José de Carvalho Ribeiro, coordenador da unidade. A Cosup conta ainda com o apoio das seções de Transporte, que conduz os técnicos, fazendo roteiro em dias alternados, e de Almoxarifado, que fornece materiais de limpeza e higiene.

Conforme Carlos Eduardo Brandão – chefe da Seção de Urna Eletrônica (SEUEL), também ligada à STI – o trabalho é contínuo e os testes são realizados em períodos de cerca de três meses de duração, contemplando todas as urnas do estado. “Logo após o término desta etapa, abriremos nova ordem de serviço e daremos início aos testes do trimestre seguinte. E, então, a cada 90 dias, nós testamos urnas de todos os depósitos. No caso de Salvador, neste primeiro trimestre já foram testadas, mais ou menos, 13 mil urnas, já no segundo semestre serão testadas 8mil urnas. Isso porque as urnas do modelo 2008 não serão mais utilizadas nas Eleições 2020, uma vez que serão adquiridas, por parte do TSE, urnas modelo 2020, em substituição”.

Como funciona o teste exaustivo?

Os testes exaustivos de urnas eletrônicas são os chamados STE (Sistema de Teste Exaustivo), que consiste em submeter o equipamento, por um período de 4h seguidas, a uma aplicação disponibilizada pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Nesse teste, todos os componentes internos (teclado, módulo de impressão e bateria) são analisados e, ao final, é emitido um relatório. Se houver algum problema, a urna é separada e enviada para o reparo. 

Atualmente, o TRE da Bahia dispõe de pouco mais de 39 mil urnas eletrônicas. A atividade de manutenção das urnas ocorre mesmo em ano não eleitoral, conforme explica o chefe da SEUEL/STI, Eduardo Brandão. “Se não houver essa freqüência, as urnas ficam comprometidas, uma vez que se perde a bateria e os componentes não são ativados. É como um computador ou TV que precisam ser ligados sempre”.

TF

Nenhum comentário:

Postar um comentário